sábado, 6 de fevereiro de 2016

PASTOR É ACUSADO DE USAR DÍZIMO INDEVIDAMENTE

Um fato vem chamando a atenção de líderes religiosos depois da repercussão da notícia de que um pastor estaria usando o dízimo da igreja para construir casas para seus membros carentes na cidade de Araruama, região dos lagos no Rio de Janeiro. Um outro caso, também no Estado do Rio de Janeiro ganhou repercussão: o pastor Fabrício Valadares, do Centro Evangelístico Internacional usa o recurso para alimentar moradores de rua. O pastor alega que o verdadeiro evangelho é aquele que se doa a favor do próximo, que cuida das pessoas.

"A religião que Deus, o nosso Pai, aceita como sincera e imaculada é esta: cuidar dos órfãos e das viúvas em suas dificuldades e, especialmente, não se deixar corromper pelas filosofias mundanas". Tiago 1:27. Capítulo 2: "Não fazer acepção de pessoas." 




No fim de ano, um famoso apóstolo televisivo gloriava-se de sua carreira ministerial em seu programa de fim de ano, convocando o povo para a passagem de ano em seus templos. Ele e a esposa fizeram a tomada de imagens num sítio luxuoso, que disse ter adquirido recentemente. "Isso é fruto do meu trabalho e da minha dedicação a Deus. Ninguém pode falar melhor de prosperidade do que eu porque só Deus sabe o que passei na minha vida." Mas ele completou depois: "Esse sítio não é meu. É da igreja." Sim, da igreja que ele mesmo fundou e por ela responde. 

Quantos membros fiéis dizimistas de sua religião tiveram acesso ao sítio que ele diz pertencer à igreja?
A Ostentação de uma fé que glorifica obras humanas

Esses pastores do Rio de Janeiro tem sido criticados por outros pastores. Os mais tradicionalistas consideram a ideia absurda pois, no entendimento deles, os dízimos são para fazer a igreja avançar, pagar os seus custos operacionais e para estabelecer novos trabalhos, angariando mais pessoas para o reino de Deus e financiar obreiros e missionários em outras terras. 

De fato, nenhum dos dois objetivos apresentados como finalidade para a aplicação dos "dízimos" encontra respaldo como a Bíblia relata. Essa questão é muito discutida até hoje, porque é algo que deve ser praticado por pessoas que entenderam ser seu dever para com Deus, devolver os dízimos. O "dizimista" fiel, aquele que devolve sistematicamente o percentual sugerido, tem mais respeito e consideração das igrejas. Mas quando essa questão se torna, pelas organizações religiosas, um instrumento para uso financeiro de seus empreendimentos, estimulando a doação de seus membros, a função do dízimo é desviada. 


Mas, que atitude se aproxima do ensinamento de Jesus no que se refere ao cuidado com as ovelhas de seu rebanho?
Qual deveria ser a responsabilidade dos pastores e líderes religiosos que governam uma igreja? 


"E veio a mim a palavra do SENHOR, dizendo:

Filho do homem, profetiza contra os pastores de Israel; profetiza, e dize aos pastores: Assim diz o Senhor DEUS: Ai dos pastores de Israel que se apascentam a si mesmos! Não devem os pastores apascentar as ovelhas?

Comeis a gordura, e vos vestis da lã; matais o cevado; mas não apascentais as ovelhas.
As fracas não fortalecestes, e a doente não curastes, e a quebrada não ligastes, e a desgarrada não tornastes a trazer, e a perdida não buscastes; mas dominais sobre elas com rigor e dureza.

Assim se espalharam, por não haver pastor, e tornaram-se pasto para todas as feras do campo, porquanto se espalharam".


Essa mensagem dada por Deus ao profeta Ezequiel, não lembra nada a você? Não é uma realidade vivida hoje, em que ovelhas sem o cuidado se sentem desconfortáveis e até mesmo doentes na carne e no espírito por se sentirem desprezadas? Não é assim que elas se dispersam?

Grande parte das igrejas se tornou um "curral" inacessível, que se protege pelas cercas da burocracia de seus estatutos e normas institucionais. É um "redil" onde as ovelhas não encontram lugar, apesar de serem suas fontes de lucro. 

A mensagem de Deus ao profeta revelou que "Esses pastores apascentam a si mesmos, e não cuidam das ovelhas."

A esses mesmos, Deus diz: "Eis que eu estou contra os pastores; das suas mãos demandarei as minhas ovelhas, e eles deixarão de apascentar as ovelhas; os pastores não se apascentarão mais a si mesmos; e livrarei as minhas ovelhas da sua boca, e não lhes servirão mais de pasto.

Porque assim diz o Senhor DEUS: Eis que eu, eu mesmo, procurarei pelas minhas ovelhas, e as buscarei". 


Ezequiel 34:10,11. Essa profecia tem se tornado bem presente, apesar do grande número dos que ainda mercantilizam a palavra de Deus para seus prazeres, empreendimentos e negócios, esquecendo-se que de tudo isso deverão prestar contas ao Sumo Pastor. 


É desses pastores que Jesus veio libertar suas ovelhas. É Ele mesmo quem as convida: "Vinde a Mim; aprendei de mim."