sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

A LUZ DO MUNDO

             
Cristo disse a seu próprio respeito: "Eu Sou a Luz do Mundo. Quem me Segue não andará em trevas." A palavra de Jesus é pontual, definida, sem margem para discussão. Ou o homem acredita nisso, ou busca "luzes" que encantam. 

A luz que Cristo traz ao mundo, desilude. Quantos há que no passado se tornaram desiludidos quando se depararam com a luz da verdade? Ao invés de aprenderem com a desilusão e aceitarem que seus conceitos eram um equívoco, rejeitaram a verdade e criaram suas próprias luzes que não os libertaram das trevas. Viver na luz de Cristo é negar-se a si mesmo e a seus confortáveis conceitos de vida aprendidos do mundo secular, que afaga o ego, que estimula o egoísmo, tornando o homem mais amante dos prazeres do que amigo de Deus. O conceito da vontade humana sobre todas as coisas, tem construído gerações que ignoram as orientações de Deus porque essas orientações espirituais, chocam-se com os interesses humanos. A vinda de Cristo na Terra causou grande celeuma ao sistema político e religioso que imperava, porque sua prática e seus ensinos rompiam as estruturas que os homens instituíram segundo seus próprios conceitos e, assim, o perseguiram até a morte. 

Esses interesses permanecem até os dias modernos. A verdade não encontra lugar porque, a Luz de Jesus, ofusca os olhos daqueles que ainda vislumbram posições neste mundo, usando seus talentos, dons e ministérios para erigirem seus impérios pessoais ou manterem seus status. Eles criam outras luzes, luzes mais fracas; outros preferem a penumbra, onde com mais facilidade guiam o povo para a cova. 
A luz de Jesus liberta. A escravidão da penumbra torna homens dependentes de outros homens; de guias segundo os interesses humanos; formam escravizadores e escravizados. 

Certa vez, um pregador disse em seu sermão: "Igreja não Salva, quem salva é Cristo."

Esse é um discurso politicamente correto, exatamente para antecipar-se a esse questionamento que muitos pensadores poderiam observar. 

Mas, do lado de fora, uma pessoa chamou o pregador e perguntou:

-O Senhor disse em seu sermão que Igreja não salva, e que quem Salva, é Cristo?
-Sim - respondeu.
- Então para quê existe a igreja? Ou qual a diferença de pertencer a uma ou a outra igreja, e por que há tantas igrejas? 

A política e a religião ainda temem Jesus, pois se os homens fossem guiados à libertação que Cristo dá, suas estruturas se romperiam; seus castelos ruiriam. A rejeição que Cristo teve no passado, de seu próprio povo, manipulado e carcomido pelos poderes que imperavam, continua em evidência hoje. O nome Jesus é apenas usado como um atrativo popular, estratégia de marketing, e seus ensinos citados apenas como frases de efeito para confortar; não para ensinar, corrigir, libertar. 
A Luz do Mundo (espiritual), ao contrário da luz física que invade e provoca seus efeitos instantâneos, precisa ser compreendida e aceita. A Luz do Mundo (Cristo) não é invasiva. Essa luz necessita de homens sinceros e comprometidos com a palavra de Deus que não tenham outro interesse a não ser revelá-la ao Mundo, apenas revelá-la como ela é, sem temer por suas posições. 

Romanos 1:25 Pois mudaram a verdade de Deus em mentira,e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador.
II Timoteo 4:3 Porque virá tempo em que não sofrerão a sã doutrina; mas, tendo comichão nos ouvidos, amontoarão para si doutores conforme as suas próprias concupiscências; 

E desviarão os ouvidos da verdade, voltando às fábulas.

A "Luz" do Mundo (Cristo) é a revelação da verdade. Essa verdade desconforta, exatamente por causa das raízes do engano que já se aprofundaram há milênios, e tem se propagado com muita rapidez  nos últimos dias. 

Ao ler o Evangelho de Jesus, todos nós temos a oportunidade de conhecer a verdadeira cartilha para aprendermos a fazer a vontade dEle. 

A Luz do Mundo diz: "Vinde a Mim; aprendei de Mim." Isso mostra que nada, nem ninguém representa a Ele, a não ser Ele mesmo. Isso mostra que o aprendizado que temos sobre Ele, é Ele mesmo quem ensina. 

Leia os Evangelhos de Mateus, Marcos, Lucas, João... e compare tudo o que Cristo viveu e ensinou, com o que é vivido e  praticado pelos homens. Ele desconstrói a nossa verdade ilusória, superficial e passageira, para nos ensinar a verdade eterna. 
É essa luz que nos libertará de luzes que nos levam aos homens que exaltam seus feitos como guias espirituais, apresentando como prova da presença de Deus em seu ministério, sua prosperidade material e, sua aprovação, tendo por base os números apresentados em seus relatórios.