segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

PASTOR CRIA "DOUTRINA DO CHAPÉU" PARA SALVAR FÁBRICA

Essa história eu ouvia dos irmãos da igreja quando eu era criança. 

- Precisamos fazer algo para salvar a fábrica de chapéus - teria dito um certo pastor a seus liderados. Assim deliberaram que a partir daquele dia a igreja adotaria uma nova doutrina, em que todos os membros do sexo masculino que pertencesse àquela denominação e estivesse sob a liderança do pastor empresário, usasse chapéu. Assim ele salvou a fábrica da falência. 

Se é verdade, eu não sei, porém, não é muito diferente do que acontece hoje em dia, com uma roupagem moderna e sutil em que muitas denominações religiosas trabalham como verdadeiras empresas, criando produtos, vendendo materiais para um público personalizado. 

Levando em consideração  o cadastro de membros, ali existem consumidores em potencial dos produtos que as organizações oferecem com argumentos razoáveis que são apresentados em seus púlpitos, ou em programas de rádio e televisão incentivando as pessoas a fazerem uso do que eles apresentam como uma solução, uma alternativa às coisas do mundo. 

"Orar pedindo a iluminação do Espírito Santo" no momento da leitura da Bíblia parece não ser tão necessário assim, pois há homens que se dizem iluminados pela revelação divina em seu lugar, que passam dia e noite em contato com Deus para trazer a mensagem para você contida nos livros que apresentam.  

Obreiros remunerados trabalham arduamente para criar todo o cenário de conforto em seus templos e, os membros não precisam se preocupar em fazer outra coisa a não ser tornar-se um espectador "pagante" de reuniões espetaculares. "Nós buscamos a Deus por você. Aqui você o encontrará. Ele não está em outro lugar" - dizem os mais ousados. 

Mas onde está Deus nessa história? Em que esses produtos e serviços ajudam as pessoas no exercício individual da comunhão com Deus?
Ler a Bíblia já não
é suficiente 
para as empresas religiosas.


É certo que não há uma resposta definida para isso pois, Deus pode atuar na vida das pessoas de diversas maneiras. O peso maior não recai sobre os "consumidores" desses produtos, mas sobre aqueles que com intenção mercantilista exploram esse nicho de mercado, fazendo disso um negócio lucrativo, pois detém o "controle" de seus membros, o poder midiático e da persuasão carismática. 
Grandes oradores se tornam garoto propaganda
de Bíblias exclusivas

A Igreja que representa Deus na terra adotaria caráter empresarial? Mas isso é o que temos visto em escala crescente ultimamente: assinaturas de tv, vendas de livros, assinaturas de revistas, cujo objetivo é guarnecer seus membros de conteúdo considerado próprio para o fortalecimento espiritual; realização de caravanas e grandes congressos apresentando seus famosos oradores que arrastam multidões para suas reuniões.  Os "Dízimos" que são uma ordenança bíblica, já não são mais suficientes para manter a casa de Deus pelas necessidades que as igrejas criam e acabam justificando os meios paralelos para sua manutenção. 

Essa marcha precisa ser diminuída para dar lugar à reflexão que nos leve a perguntar: "Onde está Deus nesse negócio?"