segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

MÃE DE ALUNO É AGREDIDA APÓS DAR BANANAS DE PRESENTE A PROFESSORA

A professora achou essa atitude uma ofensa e ato racista, e a mãe de aluno teve que se explicar à polícia, depois de ter sido ofendida e agredida verbalmente pela vítima. "Eu não entendi a reação da professora e o que se passava com ela naquele momento" - disse dona Isaura, a mãe do aluno. A mulher afirmou que sempre presenteou professoras de seu filho com frutas e flores, coisas que cultiva em seu pequeno sítio. 

A vítima disse que se sentiu discriminada porque banana para ela não é um presente, mas uma ofensa. "Essa senhora sabe que sou negra, e a sociedade liga essa fruta ao macaco, que é o estigma que o negro tem há séculos" - rebateu. 

As colegas de trabalho da professora também não entenderam a reação dela. "Parece que a ideia de preconceito e discriminação está fugindo à razão e nossa colega parece que está aceitando o discurso da vitimização dos negros, que vez por outra ganha espaço na mídia que só causa mais separação. Esses alardes vitimistas não contribuem para evoluirmos como seres humanos, mas nos regridem ao tratarmos desse assunto de maneira superficial e banal, dando atenção ao que menos interessa, à ponta do iceberg" - disse Adalgisa, professora de história. 

"Eu acho que estão criando uma bandeira que está beneficiando alguns grupos que falam em defender a causa dos negros, mas que causa? A causa do negro é a mesma causa de todo ser humano, que são oportunidades, respeito, dignidade"- salientou Joana Darc, professora de matemática. 

O psicanalista João Mascarenhas afirmou que as pessoas precisam estar bem consigo mesmas em sua autoestima. 

"Não se pode viver uma vida feliz olhando para trás, pelo que aconteceu com os ancestrais. O negro precisa reconhecer-se como indivíduo plenamente atuante na sociedade; é duro alimentar o pensamento de que todos os olhares são discriminatórios e que todas as atitudes das pessoas que não as agrada são racistas. A política racial tem promovido mais distúrbios do que solução para o preconceito, porque na verdade, o preconceito é problema do preconceituoso, não do preconceituado. Do jeito que tratam esse tema, acabam jogando lenha na fogueira, colocando pessoas contra outras. É preciso acabar com essa autopiedade e vitimização, e virar esse jogo." 

Essa notícia não está longe de ser verdadeira.