sexta-feira, 1 de agosto de 2014

POR QUE TANTO ÓDIO AO "TEMPLO DE SALOMÃO"?

Réplica do Templo de Salomão da Igreja Universal
Houve quem fez esta pergunta diante de inúmeras críticas de pessoas que consideram algo desnecessário, onde por um lado, população carente busca um meio de sobreviver, num país de corrupção e desigualdade, enquanto outros, em nome da fé, esbanjam recursos para ostentar a prosperidade alcançada certamente pelas doações dos fiéis, o meio que toda a instituição religiosa utiliza para se manter. Pedem, em nome de Deus, o que Deus nunca pediu; ofertam o que dizem ser para Deus, o que Ele jamais exigiu, criando seus próprios métodos e formalidades diante de um povo que perece por falta de entendimento. A pergunta é: Será que existe mesmo ódio contra o templo? Pelo que parece, os que discordam e manifestam opiniões que não interessam aos interesses de outros, estão sempre errados. De fato, no âmbito do poder, há muitas possibilidades de se "virar o jogo". Errado é quem discorda. Mas vamos sair desse campo. O campo das falácias e da retórica.  
Obra custou mais de meio bilhão de reais
Se a discussão se resumir apenas a questão de opinião e visão pessoal, até mesmo hipócrita, não passaremos da superfície, e acabaremos por atacar uns aos outros, apontando que outras igrejas também possuem templos suntuosos. Começaremos a procurar defeitos em outras igrejas e vamos encontrar, porém, não é produtivo tentarmos justificar coisas que apontam como errado, munindo-nos de outros erros. 

Quem não poderia fazer comparação, por exemplo, com a Basílica de Aparecida da Igreja Católica? É tudo muito admirável; a Cidade Mundial, do apóstolo Valdemiro Santiago, que se declara de maneira concorrente ao seu  ex-líder Edir Macedo; o que não dizer da Sede da Igreja Pentecostal Deus é Amor em São Paulo, que mais parece um shopping com um gigantesco estacionamento. A suntuosidade, a arquitetura; a concepção da ideia criativa de se estabelecer algo que desperte a atenção das pessoas e as atraia pela curiosidade, paixão, ou até mesmo por uma sensação de estar admirando um lugar sagrado e dedicado a Deus. Ninguém tem o direito de interferir na fé das pessoas e os motivos que tem para aceitar ou rejeitar algo, desde que fique apenas na "questão de opinião". 
 
Basílica de Aparecida da Igreja Católica
Torna-se discutível, por exemplo, a atribuição de que estes locais é um lugar onde Deus habita. No passado, acreditava-se que Deus estava no monte; as pessoas subiam ao monte para encontrar a Deus, para pedir socorro. O Salmista certa vez num de seus Salmos perguntou e ele mesmo respondeu: "Elevo os meus olhos para o monte. De onde me virá o socorro? O meu socorro vem do Senhor, que fez o Céu, a Terra, o Mar e as fontes das águas." O Salmista não tinha dúvida de que não era no monte que estava o socorro, mas em Deus, reconhecendo-o como o Criador do mundo. Porventura o Criador de todas as coisas habitaria em edificações feitas por mãos humanas, senão em sua vida, em seu coração, onde se expressa a verdadeira adoração a Ele? 
Basílica de Aparecida por dentro
 A preocupação das pessoas de saber onde Deus está, é um tema antigo e sempre gerou contendas entre aqueles que, por sua santidade, achavam que Deus estaria apenas no meio deles. É assim até nos dias de hoje. O argumento que justifica a construção do Templo de Salomão, é exatamente esse: "Um lugar onde Deus habita" com uma série de requisitos comportamentais para que a pessoa "entre na presença de Deus". 
Mas essa também foi uma pergunta feita no passado. As pessoas se preocupavam em entrar no "Santuário" de Deus. Todos os relatos bíblicos desconstroem o senso da vaidade humana; aniquila toda a intenção de justiça própria: Perguntaram, certa vez: "Senhor, quem habitará no Teu santuário? Quem poderá morar no teu santo monte?"  - observe nesta pergunta o interesse de alguém habitar no santo monte do Senhor, referindo-se a um lugar. Por outro lado surge a preocupação: "Que tipo de pessoa; o que ela deve fazer? como deve se comportar?" - Deus sempre responde desviando das pessoas o interesse nelas mesmas e nas coisas exteriores. 

O Senhor respondeu: "Aquele que é íntegro, faz o que é justo e diz a verdade mesmo se for prejudicado; não difama, não calunia e nem faz mal ao semelhante;  que mantém sua palavra mesmo quando sai prejudicado; que não empresta seu dinheiro visando lucro nem aceita suborno; quem assim procede, nunca será abalado." (Salmos 15). Essa declaração leva a responsabilidade da adoração ao próprio indivíduo, sem fazer acepções ou em primeiro lugar cumprir requisitos usuais para estar diante do Senhor. 

Aquele que é íntegro em sua conduta e pratica o que é justo, que de coração fala a verdade
e não usa a língua para difamar, que nenhum mal faz ao seu semelhante e não lança calúnia contra o seu próximo,
que rejeita quem merece desprezo, mas honra os que temem ao Senhor, que mantém a sua palavra, mesmo quando sai prejudicado,
que não empresta o seu dinheiro visando lucro nem aceita suborno contra o inocente. Quem assim procede nunca será abalado!

Salmos 15:2-5
Aquele que é íntegro em sua conduta e pratica o que é justo, que de coração fala a verdade
e não usa a língua para difamar, que nenhum mal faz ao seu semelhante e não lança calúnia contra o seu próximo,
que rejeita quem merece desprezo, mas honra os que temem ao Senhor, que mantém a sua palavra, mesmo quando sai prejudicado,
que não empresta o seu dinheiro visando lucro nem aceita suborno contra o inocente. Quem assim procede nunca será abalado!

Salmos 15:2-5
Senhor, quem habitará no teu santuário? Quem poderá morar no teu santo monte?

Salmos 15:1
mulher Samaritana perguntou a Jesus, um judeu, onde poderia adorar ao Pai. "É neste monte ou em Jerusalém?" - perguntou a mulher. Respondeu Jesus: “Disse-lhe Jesus: Mulher, crê-me que a hora vem, em que nem neste monte, nem em Jerusalém, adorareis o Pai” (João 4:21). "Os verdadeiros adoradores O adorarão em Espírito e em verdade."

Jesus ia às pessoas e as ensinava


Jesus não vivia nos templos e nem chamava as pessoas a encherem os templos. Grande parte dos relatos bíblicos mostram Jesus em meio a multidão. Ele estava no meio das pessoas, dos pobres, doentes, fracos e oprimidos; leprosos e moribundos. As passagens Bíblicas que dão conta de que Jesus ia ao templo, mostram um objetivo específico. Jesus ia ensinar, exatamente num local onde as pessoas se reuniam em dia especial. Certa vez Jesus saía do templo e seus discípulos apontaram para o Templo, admirando sua construção (O Templo de Salomão). Jesus disse a eles:"Vocês estão vendo tudo isto? Eu lhes garanto que não ficará aqui pedra sobre pedra; serão todas derrubadas." 
Templo Sede da Igreja Deus é Amor em São Paulo


Não há nenhuma argumentação Bíblica que mostra Jesus convidando as pessoas a irem aos templos para adorar a Deus.  Por outro lado, não há passagens em que Cristo condena a frequência aos templos, contudo, ensinou o que é o mais importante: "Vinde a Mim." Jesus não disse essas palavras num luxuoso púlpito de um templo. Ele convidou as pessoas enquanto ensinava diante das multidões. 

A responsabilidade da adoração é individual: "Eis que estou à porta e bato; quem ouvir a minha voz e abrir a porta, entrarei em sua casa e cearei com ele e ele comigo."

A réplica do Tempo de Salomão de Edir Macedo, bem como a Basílica de Aparecida, da Igreja católica e outras tantas edificações pelo mundo, representam, sim, a arte, o bom gosto; a arquitetura admirável. Desperta até críticas daqueles que consideram ostentação desnecessária, o desperdício; mas é questão de opinião.  Esses podem ser chamados até de hipócritas, pelos que, emitindo opiniões, fazem de algum modo outras acusações de caráter pessoal. Em se tratando de representação religiosa, a Igreja Universal não tem uma característica doutrinária que a faça reconhecida como um movimento que traga algo transformador em relação ao Evangelho pregado por Jesus. Seu trabalho mistura religião com motivação, autoajuda, entre outros temas de interesse humano e social, o que, comparado ao evangelho, torna-se algo destoante, de compreensão distorcida sobre a eternidade, salvação, o que é o foco dado pelas igrejas evangélicas. É a exploração de um "nicho" de mercado, aperfeiçoado de tempos em tempos, cujo trabalho é feito por consultores e especialistas em Marketing. A finalidade é diferente do que propõe outras religiões, por exemplo, que baseia-se no estudo da Bíblia como um todo, sendo uma regra de fé, não apenas partes que sustentam os discursos da prosperidade de maneira distorcida em sua essência. 

O que não é opinião é o que a Bíblia diz. E de acordo com a Biblia, Deus não habita em templos feitos por mãos humanas. 

E mesmo que a argumentação para atrair pessoas seja a de que Deus está alí e não lá; que está com este e não com aquele; que a mão de Deus está aqui, e não alí; que somente aqui Deus opera, cura e prospera; a orientação bíblica é para não dar crédito a isso. Hoje, agora, neste momento, você pode sentir a presença de Deus, ao abrir para Ele o seu coração, conhecendo suas verdadeiras promessas pelo conhecimento de sua palavra.
"Vocês estão vendo tudo isto? ", perguntou ele. "Eu lhes garanto que não ficará aqui pedra sobre pedra; serão todas derrubadas".

Mateus 24:2

Cidade Mundial - sede da Igreja Mundial
de Valdemiro Santiago no Rio de Janeiro.