terça-feira, 22 de janeiro de 2013

O CRIME NÃO COMPENSA?


Ponha tudo na balança se só espera desta vida

Crimes vistos e ocultos. Os da mente e os das mãos.  Afinal quem somos todos? Somos todos criminosos do oculto, das maquinações  da  mente  sem coragem de  agir?

 
De que valem nossos calos?
Dizem que o crime não compensa, eu acredito. E o trabalho? O bandido morre cedo, em plena juventude. Isso é recompensa? E o que compensa? E o suor do trabalhador que  do  seu  fruto não pode comer? Isso é recompensa? O que compensa? E  aquele   pobre  menino, sem futuro, sem suporte  para a vida dar um norte e  ser gente respeitada? E aquele  natimorto gerado em casa caída nem sequer à luz se deu? E aquele outro menino, pés descalços, magricela, que  olhando da  janela  vê a vida se passar! Ele é  filho do Geraldo, do Zé, do Severino, que  na cidade grande  tentou  a vida melhorar.   
Para quê tentar a sorte, onde só espertos sobrevivem?
Mas  foi pura ilusão. De que  vale  sua força , seus calos, seu saber? Este  mundo é do valente, do mais forte, mais esperto, que engana, negocia com astúcias  e  disfarces! Dizem que o crime não compensa, e é verdade. Mas então o que compensa? O que come o homem honesto que no jornal se fez manchete ao devolver o que achou? Do seu trabalho paga as contas, vive a vida com alegria, tem calçado, tem estudo e   moradia?   Onde está  a  recompensa?  o que compensa? O que fez aquele homem abrir mão da liberdade buscando abrigo e alimento na cela de uma prisão? O que compensa? Não é muito inteligente questionar o que compensa.  Colocando na balança, o prejuízo é de quem pensa. Onde está homem de bem, que  respeita  os limites e se torna um refém? O que compensa? Onde está o homem de bem vivendo  da verdade sem barganhar a consciência? Onde está o homem de bem que pratica a  justiça  sem autoafirmação, que com a mão entrega ao pobre sem que a outra veja a ação? Dizem que o crime  não compensa, e  isso é verdade.  E  o que compensa afinal?   Ponha tudo na balança  se   só  espera desta vida! 
"Quando um não quer, dois não brigam"
 Crimes vistos e ocultos. Os da mente e os das mãos.  Afinal quem somos todos? Somos todos criminosos do oculto, das maquinações  da  mente  sem coragem de  agir? Como buscar essa  justiça se os homens são injustos  oprimindo os  mais  fracos  que inda  morrem sem saber? Afinal o que  compensa? onde está a recompensa? Ponha tudo na balança se só espera desta vida!