sábado, 29 de dezembro de 2012

CADA COISA TEM SUA VEZ




Assim se renova a semente
Uma é a vez da semente, Outra a do broto, Outra é a vez das folhas, das flores, dos frutos. Mas tudo está contido na semente. E a força que a faz romper o chão vem de Deus. Uma é a vez do sol, Outra a vez da lua, Cada um com seu propósito. Mas seu esplendor vem do criador. Uma é a vez do início, Outra a do percurso, Outra é a vez do fim, Mas tudo está contido nos sonhos, que abrem o caminho da realização. O motivo da realização é a força que nos move: sem Jesus, nada podemos fazer. Uma é a vez do velho, outra é a vez do jovem, outra é a vez da criança.
Cada instrumento tem o seu momento
Não há diferença. É o ciclo que se conclui, é a vida, é a morte. É o rumo é a sorte, “pois todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus”. Assim cumprimos nossas etapas. Uns plantam, outros regam, outros colhem. Mas qual é a diferença se cumprimos todos a nossa missão?
Ano vai, ano vem, como semente que morre para dar vida a novo broto, novas folhas, novos frutos. Qual é mais importante que o outro, se  todos vem da mesma matriz?
Para quê orgulhar-se das realizações, se elas são parte natural da existência, que vive, que cresce que floresce sob o mesmo céu, sobre o mesmo chão?
Do trigo ao pão, o mesmo caminho se faz

Graças ao Deus do céu, que é seu trono, cujo chão é o estrado de seus pés. Dele é a vida, dEle é o presente e o futuro. Para Ele o dia e a noite, não faz diferença, pois Ele é a própria luz.
Ele preenche a altura e a profundidade, enche o céu e a terra. E o que há de novo para Ele?
Em Deus tudo se renova. Tudo se transforma. Ele é o começo, o meio, o fim. É o Alfa e o Ômega. O primeiro e o derradeiro. Nossa vida em suas mãos é certeza de um presente feliz e de um futuro eterno.
O passado e o presente são parceiros. É o ciclo que se completa.  Não há diferença entre o velho e o novo, pois ambos cumprem seu papel na escalada da existência. 
O passado e o presente se completam
Um dá lugar ao outro,sem remorsos, sem rancores, sem reservas,sem apego. Compreende o seu tempo como uma nota que se cala para que a outra sequencie a sinfonia. CAMINHEMOS JUNTOS, reconhecendo e realizando para completar o nosso papel no grande palco da vida onde não há espectadores, pois todos fazem parte da mesma atração.