domingo, 5 de agosto de 2012

A GRAÇA QUE BASTA


A resposta de Deus ao apóstolo Paulo, revela que o que importa é que Ele jamais retirará de nós o seu cuidado. Seja nos momentos de dores e provações; nos momentos de angústia ou de sensações que nos fazem sofrer. O exercício da fé não deve ter por base apenas a vitória sobre as derrotas, mas, também, como nos mantermos fortes diante das provas. As derrotas são apenas uma fase que pode ser vivenciada entre dois paralelos, entre  duas forças com as quais  convivemos diariamente.  Manter-nos confiantes da provisão de Deus e de sua fidelidade à nossa fé, é uma disposição espiritual que nos levará à vitória mesmo diante do que se considera fracasso.
A prática da confiança as vezes exige
que deixemos algo
para trás.

A paz espiritual e  confiança será operada em nossa vida, no momento em que as palavras de Deus ditas ao Apóstolo Paulo:  “a minha graça te basta” ganharem sentido prático em nosso viver.

Há muitas coisas que são superadas no plano natural, e gastamos tempo exercitando uma fé sem necessidade, e colocando no plano espiritual algo que deve ser tratado no campo material e físico. Muitas vezes caímos nos extremos de espiritualizamos o que é material e materializarmos o que é espiritual. Quando há esse “choque” entre a nossa sensibilidade de entender em que “plano” devemos canalizar o nosso trabalho para alcançar aquilo que desejamos, percebemos que essa falta de “sintonia” deixa-nos perturbados quando a resposta não se opera como pretendemos.


A  operação do que consideramos “impossível” aos nossos olhos,  ocorre somente segundo os desígnios e planos de Deus. Ele não operará aquilo que para nós é impossível, se por trás de sua ação não houver a necessidade dessa operação. Há muitos relatos Bíblicos de fatos sobrenaturais, de ocorrências impossíveis diante dos homens. Quando Deus abriu o Mar Vermelho foi para o povo que estava cativo no Egito atravessar em segurança e dar provas de seu cuidado.  A resposta de Deus era imediata.  Quando o profeta Elias orou diante dos profetas de Baal, ele estava diante de um episódio em que mostraria o poder de Deus e quem era o Deus que ele seguia. Deus respondeu a oração e queimou o holocausto, não somente por causa de Elias, mas para que Ele fosse reconhecido no meio do povo.

Deus responde as orações, não por causa de nós, apenas, mas pelo amor  dEle e por sua justiça e caráter.