sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

POSSÍVEL PARA DEUS, POSSÍVEL PARA OS HOMENS


Deus sempre trabalhou para o bem estar dos homens. Se Ele é o Deus dos impossíveis, conforme declarações que costumamos ouvir, e se afirmamos que somos dEle, do mesmo modo,  impossibilidades não serão reais em nossa vida.
Já não é estranho aos nossos ouvidos a frase: “Vamos alcançar o inalcançável; realizar o irrealizável; ver o invisível”.
As possibilidades são vistas pela experimentação até
chegar ao que se pretende. 

Na esfera humana, tudo o que se alcança, é possível. 
O impossível é sempre impossível, obviamente. 


As vezes paro para pensar sobre alguns termos que ouvimos, que passam a ser tão comuns que não refletimos em seus detalhes.  

Na esfera das possibilidades, tudo é possível.  Por isso, por tão simples e redundante que pareça, é uma idéia que não conseguimos aceitar direito. Se alguém alcançou o “inalcançável”, será que o inalcançável era algo impossível mesmo? Esses termos tem um poder de motivação muito grande, mas parece que nunca conseguimos ver, de fato, aqueles que alcançaram o "inalcançável"; viram o "invisível"; superaram os "limites".  Se alguém supera limites, esses, de verdade, não existiam. O que chamamos limite, nada mais é que uma "barreira" criada diante do desconhecido, daquilo que não sabemos dominar. O que deve ocorrer nesses casos para que o "limite" seja vencido,  é a  aplicação da fórmula correta, os meios utilizados para esse fim. 

“O impossível para o homem, é possível para Deus”.  Há muito de óbvio nessas palavras. Deus é Onisciente, Onipresente e Onipontente. Ele diz a seu próprio respeito: “Os meus caminhos são mais altos do que os vossos caminhos; os meus pensamentos mais altos que os vossos pensamentos”.
O medo torna-se empecilho para realização de algo
que ainda não dominamos.  


Se para Deus não há impossível, a nossa fusão nEle, certamente fará tudo possível a nós.
Jesus disse: “Tudo é possível ao que crê”.   Percebemos que Jesus deu uma importante lição, de como as coisas poderão tornar-se possíveis a nós: crer.

Já o Apóstolo Paulo, nos deixou uma grande lição, de que  o impossível não existe: “Posso todas as coisas em Cristo que me fortalece”.  O Apóstolo falava de coisas da vida; das dificuldades que enfrentou; dos momentos de fartura e escassez; de saúde e de doença; de humilhação e exaltação. Nada disso interferiu em sua confiança em Cristo, que o possibilitava enfrentar esses revezes de maneira resoluta e destemida.

O medo torna-se uma ameaça às possibilidades. Tememos o desconhecido e aquilo que não dominamos, fazendo parecer que a impossibilidade é real. Na verdade, "impossibilidade" é o que colocamos ou colocaram na nossa cabeça. As experiências pessoais que vivenciamos  apontam  que tanto o medo, quanto a impossibilidade caminham juntos. Há aqueles que conseguem avançar em determinadas áreas da vida, enquanto outros desanimam no primeiro obstáculo. Aos poucos, todos passam a descobrir suas reais possibilidades e por elas trabalham com o objetivo de partir para o planejamento e ação realizadora. “No mundo tereis aflições” disse Jesus. Mas Ele completou dizendo: “Esforça-te, tende bom ânimo; Eu venci o mundo”.
Há sempre um caminho a ser percorrido para vencer o
que parece impossível ou desafiador. 


Há muitas coisas na vida que são superadas no plano natural, e gastamos tempo exercitando uma fé sem necessidade, e colocando no plano espiritual algo que deve ser tratado no campo material e físico. Muitas vezes caímos nos extremos de  espiritualizamos o que é material e materializarmos o que é espiritual. Quando há esse “choque” entre a nossa sensibilidade de entender em que “plano” devemos canalizar o nosso trabalho para alcançar aquilo que desejamos, percebemos que essa falta de “sintonia” deixa-nos perturbados quando a resposta não se opera como pretendemos.

A  operação do que consideramos “impossível” aos nossos olhos,  ocorre somente segundo os desígnios e planos de Deus. Ele não operará aquilo que para nós é impossível, se por trás de sua ação não houver a necessidade dessa operação. Há muitos relatos Bíblicos de fatos sobrenaturais, de ocorrências impossíveis diante dos homens. Mas em todos esses episódios, Deus agia segundo o seu propósito, não segundo os propósitos dos homens.  Quando Deus abriu o Mar Vermelho foi para o povo que estava cativo no Egito atravessar em segurança e dar provas de seu cuidado.  A resposta de Deus era imediata.  Quando o profeta Elias orou diante dos profetas de Baal, ele estava diante de um episódio em que mostraria o poder de Deus e quem era o Deus que ele seguia. Deus respondeu a oração e queimou o holocausto, não somente por causa de Elias, mas para que Ele fosse reconhecido no meio do povo. Deus responde as orações, não por causa de nós, apenas, mas pelo amor  dEle e por sua justiça e caráter. 
Há sempre um plano de Deus por trás das vitórias
que nos concede. 


Jesus foi claro ao dizer: “aquele que pede, recebe”. Ou seja, a resposta vem a todos que o pedirem. Para Deus não há pedido perdido. Todos eles são respondidos. Algumas respostas são entendidas pelo pedinte; outras precisam ser avaliadas segundo suas percepções espirituais e essa leitura ocorre naturalmente quando o pedinte mantém um relacionamento espiritual com Deus. Gastar tempo na meditação das coisas celestes, faz-nos entender a resposta que recebemos.

Não devemos “usar” a Deus somente no momento em que precisamos resolver algum assunto que foge ao nosso controle. Quando permitimos que Deus tenha o controle de nossa vida, tudo o que pedirmos certamente estará em conformidade com a vontade dEle. E pela vontade de Deus, tudo é possível.